QUEM É O CABALISTA?

Um cabalista é aquele que recebe. E o que recebe um cabalista? Recebe um ensinamento. Recebe uma tradição. Recebe um segredo. Recebe uma orientação. Recebe uma força.

Um cabalista é também aquele que é recebido. É recebido em esferas superiores. É recebido pelos Anjos. É recebido pelos Arcanjos. É recebido pelos seus irmãos.

A mais correta concepção para um cabalista seria vê-lo como um iniciado em busca de um mestre. Um iniciado é alguém que inicia alguma coisa, o cabalista pode ser chamado assim logo que começa a se interessar e procura aprender a Cabala.

Então ele começa sua caminhada e procura instrutores. Instrutores são cabalistas que também procuram mestres, só que já aprenderam alguma coisa e precisam ensinar aquilo que sabem. Note que eu disse "precisam" e não "querem". A Cabala é recebida e ela gera uma obrigação de dar. Como recebê-la, se alguém não passar adiante o que já foi recebido?

Para ser instrutor de Cabala, o cabalista precisa de autorização divina. Se ele não a possui, não terá aprendizes e suas palavras ficarão soltas ao vento. Mas se ele tem essa autorização, suas aulas e escritos são magnéticos e muitos aprendizes vêm procurá-lo. Há vários graus de instrutores de Cabala, exemplos de altos instrutores foram Helena Blavatsky, Arieh Kaplan ou Baal Shem Tov.

Agora vem a questão do mestre. Um mestre de Cabala não é um instrutor comum. Ele é aquele que codifica e abre caminhos amplos, oferecendo saber novo e transformado. Moisés é um mestre de Cabala, Jesus Cristo é um mestre de Cabala.

Assim como eu não tenho um só caminho para chegar à padaria, também posso ter vários instrutores para chegar ao fim da minha caminhada pela Cabala. Mas preciso definir meu mestre se quiser caminhar em segurança, como o bom senso me manda ir até à padaria pela calçada e não pelo meio da rua.

Os cabalistas de linha judaica usam o Pentateuco e fazem de Moisés seu mestre. Os cabalistas de linha cristã usam a Bíblia e fazem de Jesus Cristo seu mestre. Já me disseram que a Cabala Cristã não existe e até brigaram comigo por causa disso, mas eu continuo achando que existe sim. Vejo-a como um desdobramento da outra, o que é inevitável.

Uma antiga história cabalista, contada por Martin Buber, dizia que um grupo de discípulos de um rabino, sucessor de outro famoso rabino, foi perguntar ao mestre a razão pela qual ele ensinava a Cabala de uma forma que era em tudo diferente da que era ensinada pelo mestre anterior. Eles estavam indignados porque achavam que o sucessor deveria seguir o primeiro mestre. O rabino olhou para seus discípulos e disse: "Ninguém poderia ser mais fiel ao nosso antigo mestre que eu, faço exatamente o que ele fazia. Ele nunca copiou outro mestre. Eu também faço o mesmo!".

Voltar

Copyright 2003 CELINA FIORAVANTI
Todos os direitos reservados.