O CAMINHO DAS ESFERAS

O aprendiz de Cabala pode optar por iniciar seu estudo colocando diante de si um esquema cabalista chamado Árvore da Vida e analisar tudo que ele contém. Este esquema é um desenho, composto de 10 círculos e 22 linhas.

A primeira vez que vemos a Árvore da Vida ela parece mais indecifrável que um hieróglifo. É impossível entender a Árvore da Vida sem ajuda, mas depois que começamos a estabelecer as relações simbólicas contidas nela, torna-se simples. E além de simples, torna-se claro, lógico e amplo.

Se você colocar o esquema da Árvore da Vida diante de si e usá-lo como foco visual para concentração mental, irá absorver energia de qualidade sutil muito elevada, mesmo que seu conteúdo simbólico não esteja ainda aprendido.

À medida que for estudando esse desenho, começará a focalizar sua atenção sobre os círculos que ele contém. Estes círculos, ou esferas, são chamados "sephiroth". Na nossa linguagem, são denominados sefiras ou sefiróticas.

As sefiras são como estações pelas quais a alma passa em sua caminhada evolutiva, saindo da sua condição básica de ligação com a matéria, até chegar perto do Deus. Quem medita sobre as sefiras, no sentido ascendente do esquema da Árvore da Vida, busca e encontra Deus.

As sefiras são também uma forma gráfica de representar os estágios pelos quais a luz divina passa, num traçado descendente, até alcançar o planeta Terra, onde é recebida como uma bênção pelos seres humanos. Ao passar por uma sefira a luz recebe uma qualidade.

Em cada sefira há um Nome Divino que pode ser usado para atingir os dons que essa sefira guarda em si.

No desenho da Árvore da Vida, as dez esferas sefiróticas ligam-se entre si através de linhas traçadas. Essas linhas são em número de 22 e cada uma delas corresponde a uma letra hebraica. As linhas que unem as sefiras são chamadas de caminhos.

A Árvore da Vida representa a parte mais mística e metafísica da Cabala, por isso o caminho que a estuda, o chamado Caminho das Esferas, é o estudo mais teórico que a Cabala apresenta.

Na prática, o Caminho das Esferas oferece muito, embora num primeiro momento isso não pareça realizável.

É possível analisar qualquer problema diante do esquema da Árvore da Vida e perceber em que ponto desse esquema se está. Assim, ao olhar para trás e ver as sefiras anteriores, pode-se verificar as origens do problema. Ao olhar adiante, é possível perceber os caminhos futuros que se tem como opção, o que permitirá encontrar a saída para o problema.

Outra aplicação prática da Árvore da Vida está no mapa da vida que ela representa. Cada sefira é ligada a um Planeta Sagrado, por isso a Árvore da Vida é também um esquema que pode acomodar o mapa astral de uma pessoa. Com os dados astrológicos pessoais colocados sobre as sefiras, pode-se estabelecer as relações planetárias conflituosas e trabalhar para fazer as correções necessárias.

Cada pessoa tem a Árvore da Vida impressa em seu corpo. No topo da cabeça está a sefira mais elevada, nos pés está a sefira inferior. Quando se tem uma doença, pela posição do corpo onde o problema aparece, é possível relacionar em qual da parte da Árvore da Vida corporal está a disfunção. A partir daí, fica simples determinar qual energia pode ser aplicada como força curativa.

Voltar

Copyright 2003 CELINA FIORAVANTI
Todos os direitos reservados.