O SEPHER HA ZOHAR

O Sepher ha Zohar ou apenas Zohar, como é mais conhecido, surgiu na Europa no século XIII, pelas mãos do cabalista Moses de Leon, por volta dos anos 1280 e 1290, na Espanha. É também conhecido como o Livro do Esplendor.

A autoria do livro Zohar é atribuída ao rabino Simeon bar Yohai, um sábio mestre do século II, que viveu no deserto, com seu filho Eleazar, por treze anos, para escapar das mãos dos romanos. Era discípulo do rabino Akiva.

Muitos dizem que Moses de Leon inventou o Zohar, outros dizem que ele o copiou de uma obra realmente antiga. O fato é que foi através dele que o Zohar chegou aos meios cabalistas e se tornou uma fonte das mais importantes para o estudo da Cabala e de suas práticas.

Ele é escrito na forma de um romance místico, que trata de vários tópicos cabalistas com uma profundidade que até a época não era conhecida. Sobre o fundo da terra de Israel, o mestre Yohai, com seu filho Eleazar, seus discípulos e amigos, discorre sobre todos os temas da Cabala.

Enquanto o Sepher Yetzirah é uma obra resumida e bastante curta, o Sepher ha Zohar é um livro imenso. Há nele muitos comentários novos sobre a Torah, mas o maior benefício que a Cabala recebeu do Zohar foi a reunião das duas linhas cabalistas que predominavam: a Cabala prática e a Cabala especulativa. O Zohar uniu teoria à prática e transformou a Cabala numa realidade viva na vida do cabalista.

A Cabala especulativa é teórica e se preocupa com a dimensão espiritual do Universo e com o entendimento de como toda a criação se processou. Ela se alonga em intermináveis discussões sobre a posição do homem no esquema cósmico da criação.

A Cabala prática se preocupa mais com o aqui e agora, criando processos para acessar as energias do mundo espiritual. Ela quer dar ao ser humano maestria no controle das energias à quais tem acesso e facilitar sua entrada em outros planos de consciência, por isso ensina técnicas objetivas.

Quando a Espanha expulsou os judeus e com eles, os cabalistas, o Zohar foi levado com eles para o exílio, sendo assim espalhado por todos os países da Europa nos quais os cabalistas se alojaram.

Em Safed, na Palestina, onde muitos cabalistas expulsos da Espanha se abrigaram, os ensinamentos do Zohar floresceram e se firmaram pelas mãos de dois cabalistas: Moses Cordovero e Isaac Luria. Safed foi o centro da Cabala mais ativo naquela época e de sua escola mística vieram muitos ensinamentos importantes para a fase atual da Cabala.

Ao contrário da indicação do texto original comentado do Sepher Yetzirah como leitura essencial para todo iniciado, o Zohar deve ser melhor aproveitado em obras que tratam de suas diversas partes, pois é um texto com mais de 2500 páginas.

Autores mais atuais que tratam do Zohar são muito numerosos e há muita bibliografia publicada recentemente. O aprendiz não terá dificuldade para encontrar autores que se inspiraram no Zohar, como Israel Regardie e MacGregor Mathers, dois grandes magos cabalistas.

Voltar

Copyright 2003 CELINA FIORAVANTI
Todos os direitos reservados.